23/09/2015 às 21h27 - Atualizado em 08/02/2016 às 17h29

Supervisora técnica Guabi Equinos, Natália Telles, publica artigo no Agronovas

Por: Matheus Marsura

2392122artigo-nat - Copia

A médica vetetinária e supervisora técnica Guabi Equinos, Natália Telles, teve, no último dia 15 de setembro, um artigo publicado no portal Agronovas – O produtor conectado à informação, sobre o “Desenvolvimento dos Cavalos”.

No artigo, Natália aborda a relação direta entre a nutrição e o bem-estar dos animais, com exemplos práticos de sinais que podem representar diminuição de apetite, dot, entre outros problemas.”

Link do artigo no portal Agronovas: http://www.agronovas.com.br/desenvolvimento-dos-cavalos/

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Leia abaixo o artigo na íntegra:

“O correto manejo nutricional em equinos, em suas diferentes categorias, é um grande desafio aos profissionais. É necessária uma minuciosa avaliação clínica e uma completa anamnese, a fim de diagnosticar presença de afecções que possam interferir negativamente no desempenho e desenvolvimento dos cavalos.

As informações relatadas por proprietários, treinadores ou tratadores são fontes essenciais para a adequada avaliação. Alterações de comportamento, demonstração de dor, diminuição do apetite, seletividade entre os alimentos, histórico de afecção clínica preexistente, uso recente de anti-inflamatórios não esteroidais, uso contínuo de medicamentos, periodicidade de vermifugação e vacinação podem influenciar no estado geral do animal.

Uma das principais causas de redução do apetite é a dor, que interfere claramente no comportamento geral do cavalo. Os sinais de depressão mental, isolamento do grupo, imobilidade, agitação constante são sintomas indicativos de dor. Há também indícios gerais, como cabeça baixa, orelhas em posição caudal discreta e o simples desinteresse em interagir com pessoas. Portanto, nas ocasiões em que houver diminuição de apetite ou aumento da seletividade por consequência de dor é necessário tratar a causa primária.

Os cavalos com síndrome da úlcera gástrica equina apresentam diminuição no apetite, apatia, escore corporal abaixo do ideal, mudanças de atitude, decréscimo no desempenho atlético e desconforto abdominal agudo recorrente. Mas há cavalos que não manifestam sinais clínicos.

Os potros com úlcera gástrica com até quatro meses de idade têm anorexia, depressão, bruximo, cólicas moderadas, sialorreia e “ânsia de vômito”. Geralmente, a sialorreia e a “ânsia de vômito” se expõem nos casos de ulcerações no duodeno e na região pilórica, quando há refluxo enterogástrico. Nesses casos, podem adotar o decúbito dorsal temporário com membros anteriores flexionados.

Na hipótese de úlcera gástrica, os cavalos tendem a recusar a ingestão de alimentos com banho de melaço externo e partículas laminadas. Portanto, é preciso introduzir uma dieta diferenciada com o fornecimento de produtos extrusados, óleo vegetal e alfafa. Tal leguminosa contém alto teor de c

Seja o primeiro a comentar!

Deixe o seu comentário!